FAQs - Perguntas Frequentes

Experimentar ou comprar flautas é um passo importante na vida de qualquer flautista, seja aluno, profissional ou amador. Estou aqui para responder às perguntas mais frequentes sobre vários aspectos do processo e sobre pormenores das flautas e opções produzidos pela Powell Flutes. Para informação adicional, não hesita em me contactar.

 
 
Pé de uma flauta Powell Custom em Platina com mecanismo em Ouro amarelo 10k

Pé de uma flauta Powell Custom em Platina com mecanismo em Ouro amarelo 10k

FAQ 1- Valor de uma flauta

Comprar uma flauta de qualidade é um investimento, não é um produto de consumo. Uma flauta Powell pode sobreviver o comprador; há flautas Powell dos primeiros anos—finais dos anos 1920—que estão a ser tocadas ainda hoje em dia.

Uma flauta Powell não só dá prazer durante anos e décadas, mas o valor mantem-se perto do valor de uma flauta nova com especificações iguais.

 
Katharine Rawdon, Flautista e Representante Exclusiva de Powell Flutes em Portugal

Katharine Rawdon, Flautista e Representante Exclusiva de Powell Flutes em Portugal

FAQ 2 - Serviço pessoal

Na Powell Flutes em Portugal, estou ao lado de todos os flautistas para ajudar na seleção do instrumento. Como profissional com anos de experiência como flautista profissional, e conhecimento pormenorizado das linhas e opções, adoro o processo de descoberta que é escolher uma nova flauta, flautim ou cabeça.

Posso dar uma opinião informada sobre possíveis combinações de especificações, e sempre encorajo o flautista a experimentar tudo—afinal, não custa experimentar, e muitas vezes ajuda a tomar uma decisão com a qual ficará contente durante anos. A minha flauta Powell foi comprada há mais do que 25 anos, e ela ainda me dá a mesma incrível sensação como na primeira vez! É esta experiência que desejo para todos os flautistas.

 
A zona do Chiado, no centro de Lisboa, ao por do sol

A zona do Chiado, no centro de Lisboa, ao por do sol

FAQ 3 - IVA?

Podem pensar que sai mais caro comprar em Portugal, mas já não é a verdade! Em Janeiro de 2018, o Portugal baixou a IVA sobre instrumentos de música para 13%, uma das taxas mais baixa da EU, se não a mais baixa. Podemos vender à pessoas não-residentes em Portugal, desde que venham ao Portugal levantar o instrumento—uma boa desculpa para tirar pequenas férias num país muito agradável para turistas!

 

FAQ 4 - Posso comprar em prestações?

Para facilitar a compra de uma flauta, flautim ou cabeça, somos capazes de oferecer até 30% do preço final pago em prestações. Assim ajuda os flautistas a ter um instrumento melhor mais cedo, sem fazer empréstimo num banco. Implica a assinatura de um contrato de compra e venda com todos os pormenores especificados e com força legal. A declaração da Factura-Recibo só se efectua depois de efectuar os pagamentos todos.

 

FAQ 5 - O que faz as flautas Powell especiais?

As flautas e flautins Powell tem a merecida fama de proporcionar ao flautista uma projeção, flexibilidade e variedade sonora inigualável. Aliado a estas qualidades, os instrumentos são feitos conforme os mais altos exigências técnicas, sendo excepcionalmente estáveis e resistentes. Ainda mais, em todas as quatro linhas—Custom, Conservatory, Signature, e Sonaré—há um leque enorme de opções para personalizar a sua flauta: cortes de embocadura diferentes, materiais do corpo diferentes, e uma seleção de opções de construção ou extras à escolha da flautista. Além de serem objectos de uma beleza enorme, as flautas Powell são feitos sempre a pensar na experiência da flautista a tocar.

 

FAQ 6 - Quanto é que devo gastar?

Sendo que o preço é sempre proporcional à qualidade da construção e às matérias utilizadas, há uma regra de ouro a considerar no momento de comprar um novo instrumento ou cabeça: “Deve-se comprar o melhor instrumento que é capaz de apreciar e de que consegue pagar”. Isto é, comprar o melhor instrumento dentro do orçamento e para qual tem apreciação. Quanto ao orçamento, as vezes há soluções que não são óbvias, e é nestes casos que a mina ajuda pode ser preciosa.

 

FAQ 7 - Qual é a diferença entre as linhas?

Em 1927, o Verne Q. Powell começou a construir flautas Custom Handmade (feitas a mão), que rapidamente ganharam fama pela qualidade. Assim as flautas da linha Custom são o “topo da gama” representando o ponto mais alto da arte e técnica de construção de flautas transversais. Ao longo dos anos, tem havido um equilíbrio entre manter a tradição do design e a introdução de inovações tais como o mecanismo “pinless” ultra-leve, uma nova técnica patenteada para repuxar chaminés, a introdução do Aurumite™ em várias qualidades, e a introdução de mais estilos de corte da embocadura.

No segundo ano da empresa, o V. Q. Powell introduziu o modelo “Commercial”, equivalente ao agora “Conservatory”. Esta flauta é practicamente igual à flauta Custom, mas tem um leque de opções que se resume nas mais populares, para encurtar o tempo de produção. Existe com a espessura de tubo médio ou pesado, e tem sempre chaminés repuxados utilizando a técnica patenteada “Zinki”, que permita estas a serem produzidos com uma perfeição antes desconhecida. Conta sempre com uma cabeça Custom, e com as mesmas opções de estilo de embocadura. A flauta Conservatory também conta com o inigualável mecanismo “pinless”, tal como as flautas Custom.

Mais recentemente, a Powell lançou duas linhas mais em conta, para abrir a experiência Powell à flautistas mais jovens. Estas linhas são a Signature, que tem um mecanismo “pinned” tradicional, com os “pins” escondidos elegantemente. A flauta Signature é inteiramente fabricada na fábrica da Powell perto da Boston, e está feito em Prata Sterling maciça no corpo e mecanismo. A cabeça Signature existe em três variantes, duas com Aurumite 9k, e é feita a mão pelos mesmos artesãos que produzem as cobiçadas cabeças Custom. A linha Sonaré é a flauta mais acessível da Powell: conta com uma cabeça Signature, o corpo em prata sterling maciça (série 600 e 700) construída na fábrica da Powell e um mecanismo feito na Ásia sobre o design e vigilância da Powell; as duas partes tem assembleia na fábrica da Powell. São sem dúvida as melhores flautas no mercado para o preço—experimenta e aguarda uma belíssima surpresa!

 

FAQ 8 - Qual é a vantagem de ouro? ou de platína?

A matéria ideal para a construção de uma flauta transversal seria uma matéria maleável e fina mas com máxima densidade. Acontece que a prata, ouro, e platina são ideias para a construção, tendo densidades crescentes, e maleabilidade decrescente. Isto é, com a maior densidade, mais difícil seja o trabalho com o metal. Em termos de acústica e resposta para a flautista, é geralmente aceito que a prata tem muito brilho e projeção, o ouro tem um cor mais escuro, caloroso e íntimo, e a platina um cor muito escuro mas ao mesmo tempo extremamente flexível em termos de dinâmicas, e uma projeção supremo.

Mas estas impressões são, de facto, subjectivas, e por esta razão, na compra de uma flauta é bom experimentar tudo que pode, para ver o que lhe apetece, em termos de sensação e resposta ao tocar, e no som e variedade de sons produzidos. É sempre uma escolha altamente pessoal, e é precisamente para esta razão que as opções para flautas Powell são quase sem fim. É também possível. por exemplo, juntar um chaminé de ouro ou platina numa cabeça de prata, ou juntar uma cabeça em Aurumite™, Grenadilla, ou Ouro numa flauta de prata. É aqui que a ajuda de um flautista experiente pode ser extremamente útil, como um “segundo par de ouvidos”, mesmo que a decisão final tem sempre que ser a escolha do comprador.

 

FAQ 9 - Porqué a flauta de madeira?

Mesmo sem ter caído totalmente no esquecimento, as flautas modernas de madeira tem conhecido um grande renascimento nos últimos décadas. A melhor explicação encontra-se em experimentar uma! Afinal as flautas fazem parte do grupo de instrumentos das “madeiras”, sendo este a origem da flauta, e a flauta Powell em Grenadilla “convida” a explorar outras vertentes de expressão, talvez mais sensual, mais ligado à natureza, com uma variedade de timbres que mistura perfeitamente no naipe de madeiras numa orquestra, e também vai do íntimo ao mais perfurante possível, sem nunca ser feio ou agressivo. O interesse também pode ser ligado ao ressurgimento de interesse nos instrumentos “autênticos” da música Barroca ou Clássica, mas a utilização de uma flauta moderna Powell em Grenadilla também adapta-se perfeitamente à música contemporânea. Tem mesmo que ser experimentada!

 

FAQ 10 - DEvo comprar o Mi mecánico?

O Mí mecánico existe para compensar o facto de, na terceira oitava, na flauta Boehm, o Mi ter aberto dois buracos em vez de um, só, que seria ideal. Com o Mi mecânico, há uma alavanca adicional para que só um buraco está aberta (abaixo do dedo de Sol) nesta nota. Isto melhora tanto a resposta da nota (famosamente resistente) e a afinação. Os negativos são só dois: primeiro, é mais um mecanismo que pode precisar de um ajusto (menos problemático nos instrumentos de gama alta), e segundo, faz com que o F# em cima torna-se na “nota difícil” pelas mesmas razões, que o Mi mecânico não resolve. Nas flautas Custom e Conservatory, quando não há o extra do Mi mecanismo, é fornecida gratuitamente um “Disco de Sol” que é outra solução, não-mecânico, ao problema do Mi agudo. Sendo que o Mi mecânico é uma despesa extra, diria que quem consegue tocar sem ela pode facilmente prescindir. Mas quem está acostumado a ter, pode ser que faz falta e assim vale a compra.

 

FAQ 11 - Para o quê serve o trilo de Dó#?

O chave do trilo de Dó# é um “extra” de bastante utilidade, que consiste de um buraco extra em cima do buraco do polegar esquerdo, e uma alavanca de trilo à esquerda do 1º chave de trilo. Ele permita emitir o trilo de Si para Dó# muito mais convenientemente, na 1ª e 2ª oitava, tocando só na extra chave de trilo. Ao mesmo tempo, tocando nesta chave mais o 1º chave de trilo normal, consegue um trilo entre Sol e La na 3ª oitava fabulosa, resolvendo um trilo nada ideal que aparece frequentemente em partituras como a Sonata de Prokofiev. Apesar do custo extra, considero esta chave uma benção! Infelizmente, não está disponível nas flautas em Grenadilla.

 

FAQ 12 - Para o quê serve o “roller” de Ré#?

O “roller” de Ré# é uma peça semelhante às chaves para o Si e Dó grave, mas colocado perpendicularmente no bordo da chave de Ré# — para o 4º dedo da mão direita. Facilita bastante deslizar entre Ré# (Mib) e Dó#, Dó, ou Si grave. Com um custo pequeno, tem uma utilidade bastante notável.

 

FAQ 13 - Qual é melhor, Sol alinhado ou não?

Este questão também tem a ver com as mãos de cada flautista. Talvez o modelo com Sol desalinhado seja mais ergonômico em geral, conformando melhor à forma da mão. Mas há quem prefer o Sol alinhado, ou tem o dedo do anel algo comprido, ou para quem não faz diferença. Por isso, é de experimentar e ver com qual alinhamento os dedos e a mão esquerda podem ficar numa posição sem tensão desnecessário. Apesar de julgar que para mim o Sol desalinhado seria ideal, tenho tido sempre flautas com o Sol alinhado, e não tenho manifestado qualquer problema técnica ou física.

 

FAQ 14 - O que é o Aurumite™?

Aurmumite™ é um material patenteado pela Powell que junta uma folha de prata sterling e uma folha de ouro (9k ou14k) que depois são formados num tubo ou placa de embocadura como se fosse uma peça só. O que é interessante em todas as variantes de Aurumite™ é a qualidade de resposta e timbre, que não são meramente uma versão mais barata de ouro, mas tem qualidades próprias muito atrativos: a projeção da prata junto com o calor e profundeza do som de ouro. Por isso são das flautas e cabeças mais populares da Powell.

 

FAQ 15 - O que é Prata sterling?

Prata Sterling é uma liga de prata (tipicamente com cobre) com o mais alto teor da prata útil, de 925 partes de prata em 1000 (só 7.5% em cobre). Prata mais pura seria impossível manter uma forma, por ser mol em demasia. Prata de lei tem só 800 partes de prata em 1000, sendo assim 20% em cobra, e é utilizado em joalharia, etc.

 

FAQ 16 - Qual é o melhor estilo de embocadura?

Não há um estilo de embocadura melhor para todos, claro! Isto porque cada flautista tem lábios e boca específicos, e cada um procura a sua própria sonoridade ideal e a sua própria sensação e resposta ao tocar ideal. Por isso mesmo, a Powell produz quatro estilos de embocadura nas cabeças Custom: o Philharmonic, o Venti, o Solist, e o Lumina. Cada estilo tem o seu propósito, mas as diferenças são pequenas, e todos pertencem à “familia” Powell, permitindo um leque imenso de timbres, dinâmicas, flexibilidade e projeção. Só experimentando pode encontrar aquilo que procura, e se desejar, com a ajuda de um flautista experiente. Nas cabeças em Grenadilla existe dois estilos, o Philharmonic e o Solist; nas cabeças Signature existe o estilo Signature Original e Signature II.

 

FAQ 17 - os instrumentos Powell são mesmo feitas a mão?

Sim! A fábrica da Powell, perto do Boston nos E.U.A., conta com artesãos especializados em montar flautas uma a uma, com uma atenção ao pormenor máxima. As flautas Custom são construídos inteiramente pelos artesãos mestres, que trabalham na Powell há mais do que vinte anos, e constroem uma flauta do raiz até o polimento final. As flautas Conservatory são construídos por artesãos que rodam pontualmente entre as variadas tarefas de todas as etapas na construção de uma flauta. Também há peritos a trabalhar numa zona a parte na construção dos instrumentos em madeira. Utilizando máquinas altamente específicas para cada passo na construção, cada trabalho é revisto e ajustada pelas pessoas mais competentes, com o objectivo de produzir as melhores flautas do mundo. As cabeças, tanto Custom como Signature, também são cortados a mão, por uma equipa altamente especializada liderada pela “mestre Zen” Lindsay McCourt. Em toda a gama Powell, só o mecanismo das flautas Sonaré são fabricadas fora da fábrica da Powell, sendo posteriormente trazido lá para assembleia a ajustes finais. Flautas Powell são definitivamente “Made in the U.S.A.”, com orgulho.

 

FAQ 18 - Qual é a diferença entre chaminés repuxados e soldados?

Chaminés (para os buracos abaixo das chaves) repuxados são formados pela manipulação do metal do tubo. Enquanto aquecido e maleável, o metal é repuxado para formar os buracos das notas no tubo. Isto exige uma espessura mínima de 0.016'“ (polegares) e é standard nas flautas Conservatory, Signature e Sonaré, e é uma opção para flautas Custom. O chaminé repuxado é identificável pelo “rolo” de metal no topo do chaminé. Com a técnica “Zinki”, patenteada pela Powell, os chaminés repuxados são altamente regulares, o que ajuda acusticamente e tecnicamente no contacto com as sapatilhas.

Chaminé soldados são formados depois de cortar buracos num tubo—que pode ser mais fina do que 0.016”, por exemplo em flautas de prata espessura fina, e flautas em ouro ou platina. Os chaminés—peças soltas—são soldados em cima destes buracos. O chaminé soldado em si tem mais espessura do que os repuxados, que ajuda a ressonância da flauta, e tem um “anel de contacto” com a sapatilha formada mais fina, que também é ideal acusticamente.

 

FAQ 19 - Porquê é que há corôas diferentes?

Ao longo dos anos, desde 1927, a Powell tem variado o estilo das coroas afim de identificar certos modelos e para variar esteticamente as flautas. Hoje em dia, as varias linhas utilizam estilos diferentes de coroas com o propósito de se relacionar a modelos históricos da empresa. Também é possível substituir uma coroa, por exemplo de prata sterling, com outra de Ouro, o que altera a resposta e sonoridade da flauta—mais um caso de personalização do seu instrumento possível.

 

FAQ 20 - Qual a diferença entre Aurumite 9k, 14k, ou Ruby Aurumite?

Nas flautas em Aurumite™ 9k o Ouro 9k fica no exterior do tubo, e a prata sterling no interior; nas flautas Aurumite™ 14k o Ouro rosa 14k fica no interior do tubo (e na placa de embocadura e chaminé), e a prata sterling no exterior do tubo. A flauta Ruby Aurumite™ é feito de Ouro rosa 14k no exterior do tubo (e na placa de embocadura e chaminé) e prata sterling no interior do tubo. Todas tem a coroa em prata sterling.

 

FAQ 21 - O que distingue a Flauta conservatory da flauta custom?

Principalmente, a diferença é na imenso leque de opções disponíveis nas flautas Custom (prata em três espessuras, Aurumite 14k, Ruby Aurumite, Ouro 9k, 10k, 14k, 18k, 19.5k—e ouro rosa, branco ou amarelo— Platina, e Grenadilla; mecanismo em prata sterling ou Ouro, etc.), nas chaminés soldados (Custom), e no facto de ser produzido individualmente por um dos artesãos mestres da Powell. Mas as flautas Conservatory são incríveis e robustos, inclui as opções mais populares, o mecanismo “pinless”, e inclui uma cabeça Custom com as opções de quatro estilos de corte de embocadura, e é disponível em prata sterling e em Aurumite 9k. Qualquer uma destas flauta durará mais do que uma vida.